Início / Notícias / Novas fontes renováveis ganham espaço na matriz energética

Novas fontes renováveis ganham espaço na matriz energética

Deputado Tito Torres foi um dos autores do requerimento que solicitou debate na ALMG para discutir o assunto

Até o ano de 2023, chegará a 20% a participação das chamadas novas fontes renováveis – eólica, fotovoltaica e de biomassa – na matriz energética brasileira. Essa tendência foi apontada por participantes do II Debate Público Energia de Fontes Renováveis: a construção do desenvolvimento sustentável. Cerca de 400 pessoas ligadas ao setor lotaram o Auditório José Alencar, nesta terça-feira (25/6/19), para ouvir os mais de 20 expositores e participar do debate, que tratou do incremento e da regulação da produção desse tipo de energia. O evento foi solicitado pelo deputado Gil Pereira, presidente da Comissão Extraordinária das Energias Renováveis e dos Recursos Hídricos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), com apoio dos deputados Tito Torres e Betinho Pinto Coelho.

“Vemos o crescimento muito grande, aqui em Minas, de plantas de energia solar, eólica e de biomassa, mas as distribuições não estão a contento. O Ministério das Minas e Energia anunciou investimento de R$ 120 bilhões no setor até 2027, sendo que 10% ficariam no Estado. Minas Gerais é um Estado grande, que está na frente nessa questão da energia renovável e não podemos ficar só com 10% desse recurso. Nós temos que brigar, agora é a hora da Assembleia se unir aos deputados federais e cobrar o que é de direito de Minas Gerais”, explica Tito Torres.

Em sua fala, o deputado Gil Pereira defendeu a mineirização de toda a cadeia produtiva da energia solar, com incentivos para a fabricação de componentes de placas fotovoltaicas no Estado. Também propôs o mesmo tratamento tributário da fonte fotovoltaica para as energias de biomassa, biogás e eólica. Segundo ele, o governador Romeu Zema está avaliando a viabilidades da medida.

Cledorvini Belini, diretor-presidenteda Cemig, anunciou um aporte de R$ 300 milhões em geração e distribuição de energia solar no Norte de Minas Gerais, a empresa pretende destinar o investimento para um projeto que pode ser concluído ainda em 2019. Metade deste valor, contudo, virá de parceiros. A licitação será publicada no próximo mês. “Neste primeiro momento, até o final do ano, queremos concluir geração solar de 160 megawatts. São R$ 300 milhões, dos quais R$ 150 milhões serão feitos pela iniciativa privada. Tem que ligar a chave neste ano”, disse Belini.

Além disso, verifique

Escola referência em Monlevade vai receber mais de R$ 204 mil intermediados por Tito Torres

A Escola Estadual Luiz Prisco de Braga vai receber recursos emergenciais para agilizar a reforma ...