Início / Notícias / Rio Fanado corre risco de extinção
Foto: Ricardo Barbosa
Foto: Ricardo Barbosa

Rio Fanado corre risco de extinção

O deputado Tito Torres participou de audiência pública nesta terça-feira (17) que discutiu o estado precário em que se encontra o rio Fanado, que tem cerca de 120 km de extensão e passa pelos municípios de Angelândia, Capelinha, Turmalina e Minas Novas, no Vale do Jequitinhonha.  Ambientalistas, prefeitos e vereadores da região denunciam que o rio está secando e pode ser extinto em poucos anos. “Estive recentemente em Minas Novas durante a festa de Nossa Senhora do Rosário e participei da retirada da imagem da Santa das águas do Fanado e pude ver como o rio está em situação crítica”, comentou Tito Torres.

O presidente do Movimento SOS Fanado, Daniel Costa Souza, explicou que a situação é grave e pede providências urgentes. Ele defendeu que o Estado realize ações para recuperação e proteção de nascentes, de educação ambiental, tratamento adequado de esgoto despejado na bacia hidrográfica do Fanado, assim como de fiscalização das outorgas de água.

“Uma medida que pode ser tomada é o cercamento das nascentes, como o Daniel colocou.  A gente precisa unir o poder público e o privado e colocar essa ação em execução urgente. O governo do Estado junto com as empresas que são as responsáveis pela maior parte da retirada de águas do rio devem contribuir para que as nascentes sejam recuperadas fazendo o cercamento, a retirada do gado do entorno e o reflorestamento da mata ciliar”, disse Tito Torres.

Copasa

O diretor de Operações Norte da Copasa, Gilson de Carvalho Queiroz Filho, entende que o problema deve ser resolvido por diversos atores, entre eles a concessionária de água e esgoto. Ele destacou que a mudança climática mundial levou a uma significativa queda nos volumes de chuva nos últimos três anos. “A água é usada para beber e também para a agricultura. Por isso, temos que encontrar um equilíbrio no uso. A monocultura de eucalipto, por exemplo, deve ser mais bem regulada pelo Estado”, salientou.

O representante da Copasa lembrou programas estaduais como o Cultivando Água Boa, o Pro-Manaciais e o Plantando o Futuro, como ações de recuperação de bacias hidrográficas e nascentes. Ele reconheceu que a Copasa e sua subsidiária Copanor têm um passivo no que se refere ao recolhimento de esgoto. Mas, segundo ele, hoje existem mais recursos para o incremento de iniciativas e investimentos ambientais. “Podemos e queremos trabalhar nas diversas regiões do Estado, inclusive na bacia do Rio Fanado”, garantiu.

Grupo técnico

Após os debates, os parlamentares sugeriram ações e medidas de gestão das águas no Vale do Jequitinhonha e na bacia do Rio Fanado. Foi sugerida a formação de um grupo técnico para avaliar o que é necessário fazer para salvar o Rio Fanado com a elaboração de um diagnóstico,  programas de execução e intervenção da crise hídrica.

Além disso, verifique

Tito Torres participa de entrega de casas populares nas comunidades de Estiva e Caju na cidade de Jequitinhonha.

Primeiro mandato de Tito Torres garante conquistas para milhares de mineiros

Reeleito deputado estadual, Tito Torres encerra seu primeiro mandato com um saldo de mais de ...

Deixe uma resposta